SALVE NOSSA MÃE IEMANJÁ

Hoje, 2 de fevereiro, é dia de saudar
Iemanjá, a grande mãe dos oceanos, a senhora do encontro das águas. É o orixá
acolhedor, que cuida de seus filhos com generosidade suprema.
Hoje é dia de festa no mar.
Hoje, o Brasil está em festa.
Ao mesmo tempo, movimentos de povos
tradicionais de matriz africana lançam hoje um amplo manifesto e um
abaixo-assinado que, ao longo deste ano, pretende colher milhões de assinatura,
para que a data seja considerada feriado nacional em homenagem aos povos
tradicionais de matriz africana.
Vivemos um tempo triste de grandes
retrocessos, de acirramento do racismo, da intolerância às diferentes formas de
diálogo com o sagrado, com a tradição alimentar dos descendentes dos povos de
matriz africana. Os negros são satanizados pelos fundamentalistas
neopentecostais. O poder público ignora as agressões e a violência praticadas
contra os negros, que os tornam vítimas majoritárias de homicídios, inclusive,
pelos agentes de segurança pública.
O racismo institucional trata mulheres,
homens e crianças negras como seres de quinta categoria (como se os humanos
assim pudessem ser divididos e identificados).
A discriminação por raça e cor tem imposto
humilhações e sofrimentos diversos aos afrodescendentes dentro e fora das
instituições de Estado.
Na data consagrada a Iemanjá precisamos
rogar a grande mãe que suas águas sejam escudo a nos livrar de tantas
expressões de violência e nos banhem com saúde, paz, alegrias, prosperidade e
forças para possamos ser protagonistas na construção de uma sociedade mais
harmoniosa, em que os direitos não sejam distintos para negros e não negros.
Que a justiça se faça, independentemente da cor
da pele.
Que os acessos à saúde, à educação e aos
demais serviços públicos não considerem a origem étnica dos indivíduos.
Que a territorialidade dos povos
tradicionais de matriz africana seja respeitada e compreendida como espaço
sagrado dos descendentes de homens e mulheres que, no passado, foram
sequestrados e tornados escravos para garantir o desenvolvimento deste país.
Que Iemanjá abençoe a todos, concedendo-nos
a paz, a saúde e a liberdade de viver de acordo com o legado de nossa
ancestralidade.
MANIFESTO
Abaixo Assinado para constituir o primeiro feriado dos povos
tradicionais de Matriz Africana no Brasil(PTMA): 2 de fevereiro, Feriado de
Kaia, Aziri, Yemanja. 
Para os povos tradicionais de matriz africana todas as águas são mulheres
e todas as aguas e mulheres são sagradas. São seres vivos que alimentam e são
alimentadas. Nossos territórios tem sido invadidos, nossas autoridades mortas,
e o povo criminalizado. Nossos conhecimentos roubados e vendidos com outros
nomes. Continuamos sendo colonizados e usados a serviço do poder dominante.
Nossas mulheres, águas tem sido violentadas cotidianamente física e
imaterialmente. Por isto lutamos pelo reconhecimento nacional que estamos
vivos, somos oriundos do continente Africano e nossa TRADIÇÃO ALIMENTA NÃO VIOLENTA. E pela nossa soberania
queremos:
1 – Grãos e animais de
qualidade para alimentar o ancestral e todo ser vivo 
2 – A garantia ao abate
tradicional doméstico e ritualístico   
3 – O direito a alimentar
ancestral no mar, na floresta, na mata, na rua em todo lugar
4 – O fim dos projetos de
leis que criminalizam o abate tradicional e todas as práticas dos PTMA
5 – Combater a destruição
das Unidades Territoriais Tradicionais (Terreiros)
6 – A punição  dos
responsáveis pelos assassinatos de autoridades e lideranças tradicionais
7 – O direito de se
alimentar e vestir conforme suas tradicionais das crianças e jovens nas escolas
8 – O combate ao genocídio
dos povos tradicionais em especial aos atos de terrorismo vido pelos povos
tradicionais  de matriz africana
9- pelo fim do extermínio da juventude negra
CARTA
LINK PARA O ABAIXO-ASSINADO
https://www.abaixoassinado.org/assinaturas/assinar/39568

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.